26 Mar 2020

A sucessão de ações do presidente Bolsonaro não deixa dúvidas: ele optou por bancar a aposta e desafiar a pandemia do o novo Coronavírus...

26 Mar 2020

General, obra de Fernando Botero, 2006.

A função precípua das forças armadas é a da defesa contra ameaças externas. Em casos de emergência, elas também servem como reserva estratégica de capacidade estatal. Em diversos momentos, são instadas por governos a atuarem na repressão de protestos, combate ao crime, restabelecimento da ordem pública e ajuda humanitária em caso de em desastres naturais. O que é recomendável que os militares façam na presente emergência de resposta ao novo Corona Vírus (Covid-19)? Este ensaio tem com objetivo argumentar que governos precisam ser enormemente cuidadosos com o que pedem de seus militares, sob pena de orden...

25 Mar 2020

Este livro examina a relação entre movimentos negros e estado no Brasil e na Colômbia, entre o período imediatamente anterior à promulgação de suas respectivas constituições e ao longo das três décadas seguintes. De modo geral, procuro discutir os contextos sociopolíticos supracitados a partir da literatura sobre movimentos sociais em sua interface com os aparatos estatais. Dado que há muitas aproximações possíveis da relação entre movimento social e estado, opto por uma única: trato aqui, principalmente, das proposições analíticas de autores vinculados ao campo das Teorias do Processo Politico (TPP) que enfatizam tanto a dimensão cultural/...

24 Mar 2020

No dia 16 de março de 2020, Emmanuel Macron, presidente da França, disse em comunicado à nação que “nous sommes em guerre” [nós estamos em guerra][1]. No dia seguinte, o presidente dos Estados Unidos da América (EUA) tuitou “The world is at war with a hidden enemy. WE WILL WIN” [O mundo está em guerra contra um inimigo oculto. Nós vamos vencer][2]. O primeiro ministro britânico, Boris Johnson, por sua vez, disse, em coletiva de imprensa, que deveria agir como um “wartime government” [governo em tempos de guerra][3]. Na cobertura televisiva de várias emissoras brasileiras, as chamadas sobre a “guerra contra o coronavírus” foram igualmente reco...

23 Mar 2020

Gosto mais da música do que da literatura de Chico é uma frase clichê do circuito cult. A afirmação supõe um indivíduo que conhece em profundidade a produção musical e literária do filho de Sérgio Buarque de Holanda a ponto de escolher identificar-se com o que seria o seu melhor, a música. De tão repetida, a frase mais confirma o caráter social dos gostos, como bem demonstrou Pierre Bourdieu [1], do que o saber apurado sobre a obra de Chico Buarque. Quem repete o clichê considera os textos de Roda Viva, Gota d'Água e Ópera do Malandro como literatura ou restringiu ao termo apenas os romances do carioca...

Respondendo à constatação de Jean-Michel Blanquer sobre as “derivas” da sociologia, em um livro escrito com Edgar Morin, os sociólogos Didier Fassin e Bernard Lahire apontam que o estudo das desigualdades não deve ser confundido com a sua aceitação.

Please reload