COMO BONS AMIGOS, CONTO DE TOBIAS CARVALHO

4 Jun 2020

 

 

 

 

[Este conto compõe As Coisas (Editora Record), livro de estreia de Tobias Carvalho, vencedor da categoria contos do Prêmio Sesc de Literatura em 2018]. 

 

*

 

Perguntei se ele queria uma bermuda emprestada e, quando fui buscar, ele já tinha se atirado na piscina pelado.

 

Me senti estranho, mas pulei na piscina mesmo assim, usando um calção. Enquanto ele flutuava no mesmo lugar e falava sobre algo que não conseguia prender minha atenção, eu via seu corpo balançar dentro d’água.

 

Estávamos tremendo de frio mergulhados no calor da noite de verão.

 

Logo que me acostumei à água, ele propôs que buscássemos mais cerveja. Foi andando nu pela casa. Eu estava de toalha. Quis sentar-se na sala com as luzes apagadas, mas achei melhor deixar ao menos um abajur aceso.

 

Ele disse que se sentia bem de estar assim, pelado e com alguém em quem confiava, e eu disse que o pudor era uma mentira inventada, que eu já havia corrido sem roupa com amigos na praia, que pra mim não tinha problema.

 

E comecei a imaginar.

 

Porque sim, ele era meu amigo, e um dos melhores desde sempre. Mas já havia muito namorava, não ia querer nada comigo. Amigos, amigos mesmo.

 

Eu não desejava desejar o corpo dele.

 

Éramos só nós dois em casa tomando cerveja, meus pais viajando, Arnaldo Baptista tocando.

 

Ele sugeriu um banho quente.

 

Fomos ao meu quarto, ele pelado e eu com vergonha. Levei ele pro banheiro e liguei o chuveiro. Saí do banheiro, sentei na minha cama e esperei. Vi meu amigo me olhando pelo vidro do box. Pouco tempo depois, me chamou. Disse Vem, tem que ser juntos, e fui.

 

Ele tinha pelos por todo o peito.

 

Nos ensaboamos, cada um em um canto do box, até que ele me abraçou, dizendo que era em nome da nossa amizade. Senti nossos corpos colados, o mais caloroso dos verões.

 

Saí do abraço e perguntei se ele queria xampu.

 

Ele perguntou se aquilo ficava entre nós.

 

Eu disse que sim. Era um banho, afinal.

 

Ele me abraçou de novo.

 

Dessa vez esfregou o corpo no meu. O sexo no meu.

 

Ele disse Vamos transar que nem bons amigos?, e eu pedi pra ele repetir e pedi de novo.

 

Perguntei se ele estava louco.

 

Ele disse Não tem problema, eu já traí antes.

 

Mas e nós dois?, eu disse. Imaginava que numa situação dessas eu prezaria pela amizade.

 

Beijei ele e vi indecisão no seu rosto. Deixei a água escorrer.

 

Ele, cada vez mais excitado, passou a língua pelo meu corpo. Eu, já não mais fingindo que me importava, lambi de volta. Ficamos nisso por algum tempo, até que ele pediu pra parar.

 

Não sei se quero fazer isso, ele disse. Não me sinto bem fazendo isso.

 

E paramos.

 

 

Como citar esse texto: CARVALHO, Tobias. (2020), "Como Bons Amigos". Horizontes ao Sul. Disponível em: www.horizontesaosul.com/single-post/2020/06/04/COMO-BONS-AMIGOS-CONTO-DE-TOBIAS-CARVALHO

 

 

Tobias Carvalho é escritor e mestrando em Escrita Criativa pela PUC-RS.

Contato: tobias.jung.carvalho@gmail.com

Twitter e Instagram: @tbscrvlh

 

 

 

Editora responsável: Vitória Gonzalez

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Relacionados
Please reload