Desde que entrou no ar, em 2018, a página da Horizontes ao Sul (HaoS) recebeu uma série de colaborações que nos conduziram até o presente. Pensada essencialmente como um meio de democratização das ciências sociais, a HaoS tem sido espaço para divulgação de pesquisas, análises de conjuntura e textos literários escritos por diferentes gerações de acadêmicas/os/xs e intelectuais que privilegiam perspectivas sobre a América Latina. A existência da HaoS enquanto um projeto independente e voluntário, sem financiamentos, fins lucrativos ou interferências externas, é sustentada pela dedicação de tempo e esforço da equipe editorial, o interesse de aut...

22 Oct 2019

bell hooks, no livro Ensinando a transgredir, se refere a um episódio vivenciado por ela quando um colega branco, ao ouvir falar que ela oferecia um seminário sobre Toni Morrison (uma intelectual e romancista negra norte americana, ganhadora de diversos prêmios, inclusive um nobel de literatura), destacou que seu livro Cantares de Salomão era “uma versão piorada de Por quem os sinos dobram, de Hemingway”. O comentário do tal colega parecia manifestar uma preocupação recorrente de que escritoras e pensadoras - negras, nesse caso - são imitações baratas de ‘grandes’ homens brancos. O incidente revelava, como salienta bell hooks, o medo profundo...

13 Aug 2019

O chamado “resgate” da literatura de autoria feminina produzida no Brasil do século XIX foi um marco nos estudos sobre a trajetória das mulheres e questões de gênero. Na década de 1970 já poderia ser percebida uma movimentação para a articulação dos estudos sobre a mulher; mas, na literatura, enquanto campo de investigação organizado e reconhecido institucionalmente, só pode ser identificado com a organização do Seminário Regional sobre a Mulher na Literatura (Universidade Federal de Santa Catarina, 1985), e no ano seguinte, criou-se o Grupo de Trabalho Mulher na Literatura (ANPOLL, 1986).

A leitora poderá estranhar, num primeiro momento, e ce...

23 Jul 2019

Talvez um dos nossos grandes desafios hoje nas ciências sociais seja compreender o Brasil que simultaneamente tornou possível e emergiu da eleição presidencial de 2018. Isto, se a tomamos como um marco temporal para visualizar a paulatina consolidação de perspectivas e projetos nacionais que parecem caminhar na contramão dos anos recentes da nossa história política. Não é de hoje nem são poucos os esforços nesse sentido, que se voltam para diversos temas e questões pertinentes à elucidação do Brasil atual – as manifestações de rua desde 2013 [1], os novos grupos e coletivos da direita política [2], o processo de impeachment da presidenta Dilm...

2 Jul 2019

“Gostava de ouvir aquelas canções que tinham conteúdo, que queriam desintegrar o status quo e eram contra o regime: as canções de protesto”.

Certamente já ouvimos, um dia, frases apaixonadas como essa daquele professor de História ou daquela nossa tia avó que foi militante durante a ditadura militar. Ou mais: um dia certamente podemos ter falado isso com orgulho em alguma roda de amigos.

É estranho associarmos canção de protesto à apenas um período, haja vista ser este um conceito tão denso, justamente por ser expresso em uma palavra que nunca será pretérita, obsoleta e vã em uma democracia ou em tempos de ditadura: protesto. Mudam-se os tempo...

30 Apr 2019

O ano de 1984 marca um dos muitos inícios da chamada Guerra às Drogas no continente latino-americano. Nesse ano, por sua dimensão, uma cena ganhou o mundo: a queima da maior plantação de maconha do mundo até então, com 1000 hectares, no rancho El Bufalo em Chihuahua e não em Zacatecas, como insinua a quarta temporada do seriado Narcos, veiculado no Netflix. Posicionado na disputada fronteira do México com os EUA, o local não é casual: remete à longa história de dissenso, guerras e ilegalismos que forjaram esse espaço fronteiriço há dois séculos. Definida formalmente pelo Tratado de Guadalupe Hidalgo em 1848, a fronteira foi modificada em 1853...

Please reload